Thursday Julho 18, 2024
RÁDIO CASIMIRO - Logo

GOVERNO DA PROVÍNCIA DE LUANDA ETERNIZA NOME DO JORNALISTA SIONA CASIMIRO.

O Governo da Província de Luanda começou desde a semana passada o processo de actualização e reorganização da toponímia na capital do país, em cumprimento da Lei n.º 14/16, de 12 de Setembro, Lei de Bases da Toponímia, combinada com o Decreto Presidencial n.º 162/19, que aprova o Regulamento da Lei da Toponímia, através do Despacho n.º 20/GPL/2024.

Este processo permitiu a atribuição do nome da Rua 3 do Projecto Nova Vida, em Rua Siona Casimiro, em forma de reconhecimento aos feitos deste profissional na defesa da liberdade de imprensa e jornalismo livre no país.

A dinâmica da toponímia de Luanda que o pelouro de Manuel Homem tem levado a cabo, incluí ainda a actualização e atribuição de número de polícia nas localidades e a criação de mecanismos para a facilitação do acesso a diversos serviços, melhoria da mobilidade, actualização do mapeamento, entre outros aspectos.

Neste momento, a nível da Província, a implementação está em maior proporção nos municípios de Kilamba Kiaxi e Talatona, nos distritos urbanos do Nova Vida e Talatona, respectivamente, onde se atribuiu outros nomes como o do também Jornalista, de feliz memória, António Muachilela, dos músicos e nacionalistas Waldemar Bastos, Carlos Burity, Lourdes Van-Dunem, Urbano de Castro, Tony do Fumo, dentre muitos.

Siona Bole Casimiro Watulanta, mais conhecido por Siona Casimiro, o Decano dos Jornalistas em Angola, e o portador da Carteira Profissional dos jornalistas angolanos n° 1, nasceu à 12 de Maio de 1944, em Matadi, tendo falecido à 9 de Fevereiro de 2023, em França, por doença aos 79 anos.

Formado pelo Centro de Formação Profissional de Jornalistas (CFPJ) de Paris, França, é membro fundador do Sindicato dos Jornalistas Angolanos e do MISA-Angola.

Foi Director de Informação da Angop, colaborou com vários jornais mundiais com destaque para franceses, a citar France Press e AP. Um dos poucos jornalistas angolanos que a 3 de Maio de 1992, participou na Namíbia na célebre conferência da UNESCO que consagrou o dia da Liberdade de Imprensa.

Foi editor chefe da Rádio Ecclesia e do Jornal o Apostolado da Igreja Católica de Angola, com vários livros publicados.

Foi consultor editorial e assinava a Crônica Visão Jornalística da Rádio Ecclesia.

Tio Siona, como era carinhosamente tratado, destacou-se como um  acérrimo defensor dos valores éticos e deontológicos da profissão, tendo recebido a carteira profissional pela primeira vez em 1969, após estagiar na Agência Congolaise de Presse (ACP).

Repórter Delgado Teixeira

Visitas216

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *